Uma das maiores questões para quem está pensando em se mudar para cá é se existe racismo e preconceito na Austrália e principalmente como os brasileiros são vistos.

Para explicar a questão do preconceito temos que ir por partes e tentar mostrar como o imigrante em geral é visto, como é a cultura a Australiana, entender um pouco da imigração no país e principalmente as diferentes culturas que aqui vivem

Neste último final de semana estava conversando com uma Australiana de cerca de 70 anos de idade. Ela nasceu aqui, seus pais nasceram aqui, seus avós nasceram aqui, seus filhos e netos nasceram aqui. O único estrangeiro mais próximo na sua linhagem foram um casal de ingleses que emigrou para a Austrália há mais de um século.

Esta senhora em questão estava comentando sobre o declínio da imigração indiana nos últimos anos devido ao preconceito sofrido por esta cultura. Apesar desta senhora ser completamente contra qualquer tipo de preconceito, ela como australiana entende que o país possui um certo preconceito contra determinadas culturas, entre elas indianos, pasquitaneses, chineses, tailandeses e libaneses.

Ouvi o que ela estava falando e ao chegar em casa decidi pesquisar. De fato houve uma queda no número de indianos vindo estudar na Austrála, mas apesar de significativa (cerca de 15%) não representa um enorme declínio. A Índia é hoje o oitavo país na Austrália em número de descendentes, ou seja, que a pessoa morando aqui tenha um ou os dois pais indianos.

Atualmente os principais países de origem no programa de migração para a Austrália são a Índia, China e Reino Unido.

O que estes dados mostram é que se houver um preconceito isso não está causando um impacto significativo na imigração e seria necessária uma pesquisa mais detalhada para afirmar que a queda no número de estudantes vindos da Índia se deve ao medo do preconceito, uma vez que precisariam ser isolados outros fatores, como econômicos (queda na renda, dificuldade de empréstimos em bancos locais para estudar no exterior…), pessoais (No caso por exemplo dos indianos terem obtido recentemente mais facilidades para estudar em outros países), além de diversos outros, como melhoria da qualidade de ensino e aumento de oportunidades de emprego no país, entre muitos outros.

Outro fator interessante é que no ano passado o número de imigrantes chegando à Austrália era duas vezes maior do que o de imigrantes deixando o país, o que mostra que a imigração está a todo vapor por aqui.

A Questão Racial na Austrália nos Dias Atuais

Antes de explicar a questão racial na Austrália hoje, deixe-me lhe contar a história da última propaganda da Coca-Cola no Super Bowl nos EUA e o debate que gerou entre eu e um amigo.

Uma das maiores atrações do Super Bowl americano, além do jogo, são os comerciais. O evento é o mais assistido no mundo e 30 segundos de propaganda na TV custa acima de $4 milhões de dólares.

Este ano a Coca Cola trouxe uma propaganda de 60 segundos onde apareciam pessoas de diferentes raças e nacionalidades cantando em diferentes idiomas uma das mais patrióticas canções americanas depois do Hino, America the Beautiful.

No dia seguinte um amigo postou no Facebook uma crítica ao racismo citando as declarações de Glenn Bleck, um apresentador de rádio americano e afirmou que havia muito racismo no país.

Depois de ler a matéria e as dezenas de comentários dos desavisados, percebia que se aplicava ao assunto a teoria do cachorro encurralado. Ou seja, se você colocar 100 cachorros em um canil com comida e conforto você provavelmente não vai ouvir muito barulho. Porém, se você encurralar um deles ele vai fazer o maior barulho.

O cidadão da matéria é o cachorro encurralado. Ele possui uma fama de longa data por suas críticas racistas e hoje vivendo em um país com um presidente democrata negro, uma enorme mistura cultural, uma crescente imigração, ele e mais meia dúzia de vozes irrelevantes começam a latir. Acontece que estes latidos dão audiência por que são polêmicos.

Se eu colocar uma matéria aqui dizendo que a filha de um político Australiano se casou com um chinês, pouca gente vai perder tempo para ler, agora se eu colocar uma matéria dizendo que a filha de um político Australiano não pode casar com o namorado por que ele era chinês, provavelmente vai dar muito mais audiência.

O EUA é hoje um país tão multi-cultural que a Coca Cola pode com confiança criar um comercial destes e publicar no programa de maior audiência do país. Algo impensável há 30 anos

Eu que já trabalhei nos EUA fiquei impressionado com o quão eles (nas grandes metrópoles) são abertos e receptivos a qualquer pessoa independentemente da raça, origem, opção sexual e religiosa. Se você for uma pessoa de bem, respeitar as leis e as regras, for honesta e fizer seu trabalho bem feito você será respeitado.

Trabalhei em uma grande empresa em San Francisco onde haviam centenas de indianos, chineses, gente do cabelo azul com rosa em cargos de diretoria, pessoas casadas com outras do mesmo sexo e totalmente abertas em relação ao assunto ocupando cargos de VP de sua área, branco, negro, misturado, europeus, mexicanos, brasileiros e pessoas de todos os tipos e culturas trabalhando no mesmo lugar sem sofrer qualquer tipo de preconceito. Qualquer questão cultural, racial ou qualquer opção pessoal (desde que dentro da lei e regras normais de convivência social) não eram consideradas em qualquer contratação ou promoção.

Certamente uma boa parte dos que estavam ali seriam discriminados no Brasil, afinal, qual foi a última vez que você viu no Brasil uma diretora de uma grande empresa com o cabelo rosa e azul?

O que você nota nos EUA é que apesar do latido de um ou outro red neck radical, em sua grande maioria os EUA é um país com pouco preconceito contra o imigrante. Mesmo por que, hoje a mistura de raças é tão grande que dificilmente você consegue diferenciar alguém apenas pela aparência.

Mas e a Questão Racial na Austrália

Na Austrália acontece de forma semelhante, porém a proporção de pessoas que possuem algum tipo de preconceito contra o estrangeiro é ainda um pouco maior. Isso (acredito eu) se deve ao fato da imigração na Austrália ser muito recente. O que acontece aqui hoje aconteceu no começo do século 20 no Brasil.

A Austrália não é um país racista, mas sim um país que ainda está se adaptando à imigração, mas não somente isso, muitos imigrantes ainda estão também se adaptando à Austrália.

Sim, se por um lado tem gente reclamando de alguns imigrantes, por outro tem muitos imigrantes dando motivos de sobra pra reclamação.

Qualquer brasileiro que está aqui há mais de 3, 4 anos pode te dizer se já não teve algum problema com alguém de uma certa cultura. O problema do “racismo” é que alguém de Marte vai e faz alguma coisa que você não gosta, ai 1 mês depois outra pessoa também de Marte toma uma atitude que você não acha adequada e na semana seguinte seu co-worker de Marte faz algo que você discorda completamente. Depois de 1 ano você já está lá no fundo começando a achar que o povo de Marte não se adapta a cultura local e deveria voltar para seu país.

Pessoalmente não tenho nada contra ninguém de qualquer cultura, mas toda vez que vou em um estabelecimento pertencente a um imigrante e sou tratado muito aquém da educação padrão na Austrália, toda vez que algum funcionário de outro país insiste em não cumprir com as leis e as regras da Austrália ou toda vez que tentam me impor de forma agressiva uma cultura diferente da cultura do lugar onde vivo, independente de onde você seja eu acho que você não deveria ter saído do seu país se não está disposto a se adaptar e respeitar a cultura do país onde Você escolheu viver.

Eu mesmo levei alguns meses para me adaptar à cultura Australiana e hoje, depois de quase 8 anos aqui, fica  difícil – sem qualquer exagero – me acostumar com alguns aspectos da cultura brasileira quando vou para o Brasil. Nada contra o Brasil, é apenas uma diferença de cultura.

Acredito que se você saiu do seu país para mudar para outro lugar, com uma cultura diferente, o certo é que você se adapte e assimile a cultura local, sempre tentando de forma sutil passar aspectos positivos da sua cultura, mas jamais exigir que os cidadãos do país para onde você mudou e é estrangeiro, sejam forçados a aceitar que você cuspa no chão ou arrote depois de comer no restaurante por que no seu pais isso é normal. Estou usando exemplos extremos, mas vale para costumes menos excêntricos.

Mas e os Casos de Racismo na Austrália? Não Existem?

Sim, existem, mas são eventos isolados que alcançam a grande mídia justamente por serem polêmicos. Inclusive um brasileiro lutador de MMA foi atacado verbalmente no ônibus em Melbourne por um red neck por estar falando em português. E olha que ele era loiro e não aparentava ser estrangeiro. O lutador poderia ter literalmente matado o racista na porrada, mas optou por descer do ônibus e acionar a polícia. Quando o entrevistaram e perguntaram como era o cara que o agrediu verbalmente ele disse: “Uma destas pessoas simples e sem cultura”. Este é geralmente o perfil de qualquer racista. Alguns casos semelhantes aparecem vez por outra nos jornais. Separei alguns casos e também algumas matérias interessantes sobre o assunto para quem quiser ler.

http://www.smh.com.au/queensland/brisbane-commuter-stands-up-to-bus-racist-but-let-down-by-other-passengers-20140123-319sb.html

http://www.smh.com.au/victoria/man-jailed-for-racist-bus-rant-20140117-30zyx.html

http://www.smh.com.au/victoria/racism-in-the-ranks-20130915-2tt6b.html

http://www.smh.com.au/comment/racism-laws-show-societys-strength-20131108-2×741.html

http://www.smh.com.au/comment/how-best-to-tackle-racism-australian-style-20130818-2s4ui.html

http://www.smh.com.au/federal-politics/society-and-culture/racism-demands-action-from-all-of-us-20130212-2eb07.html

De fato, o número de imigrantes que experimentaram racismo subiu nos últimos 7 anos na Austrália, mas isso se deve também ao fato do enorme aumento no número de imigrantes.

Como eu disse, a Austrália é um país que ainda está se adaptando à imigração e ainda vai levar alguns anos para que ela atinja o nível de cidades americanas como Miami, San Francisco ou New York, onde dificilmente se vê o imigrante como um “estrangeiro”, mas sim como um “americano” que nasceu em outro país.

Mas como Ficam os Asiáticos?

Screen Shot 2014-02-05 at 9.41.58 pm  Existe Preconceito na Austrália? Screen Shot 2014 02 05 at 9

Estudantes que atingiram nota superior a 99.5% no Atar aqui na Austrália. Uma espécie de ENEM que é utilizado como critério de ingresso em todas as universidades do país

Os asiáticos estão rindo a toa. Primeiro que o preconceito como eu disse é muito mais mascarado que evidente. Os asiáticos são respeitados, bem tratados e bem recebidos como qualquer cidadão Australiano. Depois que eles são o povo que mais ascende socialmente na Austrália, os filhos dos asiáticos são os que possuem melhores performance nas escolas e hoje são os que conseguem os melhores empregos na área de Tecnologia, Economia e até saúde.

http://www.smh.com.au/national/tertiary-education/best-hsc-marks-fail-to-guarantee-place-in-medicine-courses-20140104-30arj.html

A Austrália possui escolas especiais com ingresso por mérito acadêmico, ou seja, apenas os melhores alunos de cada estado ou região são convidados a estudar nestas escolas. Eu morei por 3 anos e meio ao lado da North Sydney Girls High School College, uma das principais e mais conhecidas escolas por mérito da Austrália, onde inclusive estudou a atriz Nicole Kindman e pelo menos 90% dos alunos da escola eram orientais, estrangeiros ou filhos de imigrantes.

Além disso uma grande parte dos asiáticos que mudam para a Austrália são de famílias ricas na Ásia. Quando estudei na UNSW o cleaner da faculdade, um senhor de uns 70 anos com o qual fiz amizade na época, disse que os orientais já chegavam para estudar na faculdade com o dinheiro para comprar qualquer carro na concessionária e com a casa já comprada pelos pais.

Eu arrisco-me a dizer que em 30 anos a maior parte das empresas Australianas estará sendo administrada por um oriental e possivelmente teremos um oriental ocupando o cargo de Primeiro Ministro do país.

Ai, a pessoa que está aqui, nunca se preocupou em estudar ou se dedicar um pouco mais, acha que é culpa do asiático que tomou os melhores empregos e não dele que decidiu não estudar. Mas como eu disse, estes são uma pequena minoria, a maioria do povo australianos é formada por pessoas inteligentes e educadas que entendem a questão do imigrante e da sua importância para o crescimento e desenvolvimento do país.

Os Brasileiros Sofrem Preconceito?

Quando estava conversando com a senhora que comentei no começo do post ela me disse: “Jerry, você não sente preconceito, pois você é brasileiro e os brasileiros se parecem muito com os australianos.

O que ela quis dizer não foi apenas da aparência física, uma vez que apesar de não sermos muito parecidos com o Australiano padrão fisicamente, não somos também muito diferentes. Eu mesmo já fui confundido com diversas nacionalidades. Italiano, Francês, Espanhol, Mexicano e ultimamente por causa do meu sotaque até americano, mas somos bastante parecidos com os australianos culturalmente. O Brasileiro gosta de se divertir, é social, dentro do possível respeita a maioria das regras, é educado e adora sair para tomar cerveja à noite com os amigos no Pub. Nenhum hábito brasileiro difere muito dos hábitos dos australianos.

Além disso, enquanto muitos imigrantes se concentram em áreas isoladas onde a maioria dos moradores vem de um determinado país ou região (no caso de Sydney), os brasileiros estão espalhados por todos os lugares, principalmente nas melhores áreas com praua como Manly, Dee Why, Bondi, Pyrmont, ou perto da city como Surry Hills, North Sydney, Mosman, etc são justamente os bairros onde você vai encontrar grande parte dos brasileiros.

Desta forma, o preconceito contra o Brasileiro aqui é quase nulo, primeiro por que somos bastante semelhantes culturalmente aos Australianos, somos bastante diferentes uns dos outros como brasileiros (tem loiro, ruivo, olho verde, olho azul, moreno, cabelo liso, enrolado, negro, castanho, etc) e não somos uma cultura com número representativo no país.

Eu raramente ouvi algum caso de um brasileiro que disse ter sofrido preconceito. Muito pelo contrário, é muito mais comum ouvir algum brasileiro falando preconceituosamente contra alguma das culturas que vivem aqui do que o contrário.

O brasileiro é um povo que se adapta em qualquer lugar. É um povo trabalhador, dedicado, inteligente, esperto, tranquilo, de bem com a vida e que assim como o australiano quer apenas aproveitar o melhor que o pais tem para oferecer.

Entendendo a Questão Racial na Austrália

Muitas pessoas se surpreendem com o fato de que a Austrália já teve de 1901 até 1973 uma política de imigração branca que favorecia a imigração apenas de pessoas de certos países. Porém a política tinha um objetivo mais econômico do que racial, apesar de declarar que tal política visava fazer com que a Austrália permanecesse para sempre a casa dos descendentes das pessoas que vieram aqui em paz, a fim de estabelecer nos Mares do Sul um posto avançado da raça britânica.

Long Story Short, isso começou por que os britânicos temiam que os chineses tomassem a liderança na corrida do ouro. A mineração de ouro na Austrália trouxe grande riqueza para o país, mas também muitas tensões sociais e culturais com imigrantes da Ásia chegando em um número considerável ao país pela primeira vez na história.  Com isso a competição nos garimpos aumentou e criou um ressentimento entre os mineradores brancos em relação ao sucesso que estava sendo obtido pelos mineradores chineses, o que causou tensões entre os grupos e, eventualmente, uma série de protestos.

Um pouco mais tarde, com o crescimento da indústria do açúcar, os membros do Labour Party (uma espécie de PT daqui) temiam que fosse trazido da Ásia (principalmente da China) mão de obra barata, o que segundo eles desvalorizaria o valor do trabalho dos brancos descendentes de britânicos. Apesar de muito debate entre os fazendeiros que argumentavam que seria impossível manter algumas plantações sem mão de obra chinesa, foi criada uma política que impedia a imigração chinesa, porém anos mais tarde, em 1895, as colônias concordaram em aumentar esta restrição para todos os não brancos e não apenas os chineses. Porém, temendo problemas com o Japão, New South Wales (estado onde fica a cidade de Sydney) e a Tasmânia não assinaram a lei e em 1897 foi criada uma lei contra a imigração de pessoas “não desejadas” e não uma determinada raça.

O Governo Barton, que ganhou as primeiras eleições em 1901 foi formado pelo Partido protecionista com o apoio do Partido Trabalhista Australiano (O Labour Party). O apoio do Partido Trabalhista dependia da restrição a imigração não-branca, refletindo as atitudes do Sindicato dos Trabalhadores da Austrália e de outras organizações da época. Desta forma o novo Parlamento aprovou a Lei de Restrição da Imigração de 1901 com o objetivo de colocar certas restrições à imigração e a remoção de imigrantes proibidos. O primeiro-ministro, argumentou em favor do projeto com a seguinte declaração: “. A doutrina da igualdade do homem nunca foi destinado a ser aplicado à igualdade de o inglês e o chinês.”

Muitos anos mais tarde, em 1966, o Governo Liberal introduziu a Lei da Migração de 1966, um divisor de águas na reforma da imigração, efetivamente acabando com a política da Austrália Branca e maior acesso a imigrantes não europeus, incluindo os refugiados da guerra do Vietnã.

O fim legal da política da Austrália Branca foi em 1973, quando o governo implementou uma série de alterações que impedem a execução de aspectos raciais da lei de imigração, entre elas:

  • Todos os migrantes, independentemente de sua origem, se tornaram elegíveis para obter a cidadania depois de três anos de residência permanente.
  • Ratificada todos os acordos internacionais em matéria de imigração e raça.
  • Desconsideraram totalmente a raça como um fator na seleção de imigrantes.

A Lei de 1975 de Discriminação Racial fez a utilização de critérios raciais para qualquer finalidade oficialmente ilegal. Porém, somente com a lei de imigração, em 1978, que toda a seleção de imigrantes potenciais com base no país de origem foi totalmente removido da política oficial.

Conclusão

Esta questão do preconceito daria textos para mais um monte de posts e não será resolvida tão cedo aqui e como disse o país ainda está se adaptando à imigração, mas da próxima vez que você ler algo polêmico sobre preconceito na Austrália saiba que o preconceito aqui é apenas uma exceção que gera manchetes impactantes nos jornais e não a regra.

Solicite Orçamento 160×160
SHARE
Previous articleAs Melhores Escolas de Inglês de Sydney
Next articleCostumes Australianos Estranhos para Brasileiros
Jerry Strazzeri
Jerry Strazzeri vive na Austrália com sua esposa desde 2006. Trabalha como Analista Digital na Austrália já tendo trabalhado em empresas no Brasil e Estados Unidos. Cidadão Australiano, junto com seu trabalho está concluindo uma graduação em Leadership. Junto com sua esposa Michelle, foi responsável por diversos sites na área de educação e TI e criaram o Brazil Austrália em 2006 para ajudar aqueles que estavam imigrando ou vindo estudar na Austrália. "Mas eu e a minha família serviremos ao Senhor" ~ Josué 24:15 Veja meu outro blog - Siga-me no Quora

18 COMMENTS

  1. @Jerry
    Um dos casos mais conhecidos e graves na Austrália sobre esta questão do racismo, aconteceu há alguns anos (creio que foi em Melbourne). Era por volta das 8 da noite, não lembro se foi no ônibus, atacado por vários outros jovens e brutalmente ferido. Isto deu uma repercursão forte na mídia na época.

  2. Estou na Australia ha 2 anos e meio e tenho muita sorte de conviver com australianos esclarecidos e apreciadores da diversidade cultural, entao, pode ser que a minha “amostragem’ nao condiza com o padrao geral. Para mim, por tudo que ja presenciei aqui, se tem um pais que respeita o imigrante, este pais eh a Australia. Vejo muitos brasileiros reclamando que existe preconceito na hora de arrumar emprego. Eu, sinceramente, nao acredito que isso seja necessariamente preconceito e sim consequencia da competicao acirrada no mercado de trabalho. Eh muito dificil, pra um RH australiano avaliar o CV de um brasileiro sem experiencia por aqui… na grande maioria das vezes eles nunca ouviram falar da faculdade que o cara estudou e as referencias sao todas estranegeiras. Fica bem complicado fazer o “reference check”. Na empresa em que trabalho, por exemplo, anunciaram uma vaga e foram recebidos mais de 100 CVs. O RH tem uma politica em que somente 5 CVs podem ser selecionados pra entrevista. Poxa, quem o gerente vai escolher? O cara que estudou aqui recomendado por alguem conhecido no mercado e experiencia australiana ou o brasileiro q acabou de chegar? Uma vez que se passar por esse primeiro obstaculo ( o que reconheco, nado eh nada facil), a vida fica mais facil. As empresas aqui valorizam o trabalho duro e o bom funcionario independemente da origem e qualquer um tem chance de ter uma carreira.

  3. Achei a matéria interessante. Sempre tive essa curiosidade de saber se os australianos eram preconceituosos ou não. Mas pelo fato do país ter muitos imigrantes, já imaginava que eles não são seriam tão preconceituosos como muita gente acha que são, de uma forma geral.

  4. Com certeza o melhor texto que lí sobre o assunto até hoje! Muito bom mesmo!

    Como vc sabe que eu não sou muito fã do partido liberal, já de ter antecipado que iria dizer que faltou adicionar que quem baniu todos os aspectos raciais da lei de imigração em 1973 foi Gough Whitlam do Labor Party.

    E que quem completou o trabalho foi o Malcolm Fraser, liberal na época, mas que abandonou o partido 2010: “He allegedly told friends Mr Turnbull’s replacement, Tony Abbott, was all over the place on policy and Mr Fraser disliked the racist overtones adopted by the party in the debate on immigration.” http://www.smh.com.au/national/baillieu-tells-of-sadness-after-fraser-quits-liberal-party-20100526-wbes.html

    Como o ex-parlamentar do partido liberal Petro Georgiu escreveu em 2006: “The Government’s concerns about migrants, their English skills and commitment are spurious, writes Petro Georgiou. THE social justice constantly proclaimed by Menzies as one of the Liberal Party’s cornerstones has been forgotten by many members of the party, and has been reviled by others.” http://www.theage.com.au/news/opinion/why-the-focus-on-english/2006/10/04/1159641390660.html

  5. Eu já moro aqui na Austrália a 4 anos , eu sou negro e brasileiro e graças deus, nunca sofri nenhum preconceito , quando vim pra cá fique com muito medo deles serem preconceituosos, já estava quase desistindo do emprego ,nunca me olharam diferente e nem nada, e olha que no Brasil já sofri preconceito .

  6. Excelente matéria, bem ponderada e sem propaganda enganosa.

    Infelizmente a Austrália é sim muito racista mesmo e não simplesmente xenófoba, pois etnias ao norte da Itália são bem-vindas aqui. Para fugir do preconceito vc tem que esconder seu país de orígem e até mudar de nome para conseguir emprego. Imagine isso no Brasil q tem nomes criativos exclusivos da nossa rica cultura?

    Mas assim como no Brasil, o cara sendo bom não importa se 99% dos colegas de trabalho são da etnia dominante, ele será um presidente do STF. Entretanto eu mesmo com nome, cidadania e fisionomia italiana já sofri 3 episódios sendo um com violência.

    Uma coisa muito perigosa que não foi mencionada é o famoso king hit, onde vc é atingido por um soco do nada por alguém que está passando. As leis são brandas aqui para quem mata com um soco, pois não há arma para caracterizar a premeditação e já teve até brasileiro q morreu.

    Quanto aos partidos daqui a lógica geral é a mesma de países democráticos. O partido liberal que defende corporações quer mais imigrantes para baratear o custo de mão de obra. Já o partido trabalhista financiado por sindicatos quer defender a valorização do salário dos que aqui já estão empregados.

    Resumindo, é natural q todo outsider tenha q se esforçar mais para ocupar um espaço q ja tem dono e isso se aplica para várias situações. Na minha experiência a melhor estratégia é não dar nenhuma bola para os Australianos, pq aos poucos os q são gente boa naturalmente vão se aproximar pq é difícil resistir ao poder da originalidade da cultura brasileira.

  7. A pouco tempo apareceu nos principais jornais do Brasil o caso de uma australiana (loura) que aqui no nosso pais agrediu verbalmente e ferozmente uma manicure negra, gritando a todo momento que nao queria que gente da cor (negra) da manicure olhase para ela, “Porque essa gente dessa cor fica me olhando, nao quero que me olhem e nem me toquem tenho nojo” a manicure ficou em prantos com tal grosseria que indignou os que estavam no local.

  8. Url com materia sobre a assunto de racismo contra manicure.

    http://m.youtube.com/watch?v=JIdBfLN4jZA

    Se foi capaz de fazer isso no Brasil com uma brasileira imagina se a coitada estivesse na Australia. Nao estou generalizando, mas o racismo é uma coisa mundial que nao nos deve intimidam de conhecer os lugares que queremos, moro no Parana e (no local onde vivo) algumas pessoas aqui tem o feio custume de que se uma pessoa for um pouco mais escura perguntar se ela é Cearence sabendo que nao é so para intimidar a pessoa.

  9. Tem uma youtuber, Renata Meins, que é casada com um Australiano. Ela não explicou a história, mas ela disse que a família do marido não gostava dela. Hoje, não brigam mais, e ela tem um filho, a família aceitou. Ainda não sei se foi por preconceito por ser brasileira, ou pq não era rica.

LEAVE A REPLY