Antigamente o número de estudantes brasileiros em universidades Australianas era irrisório, mas graças ao programa Ciências Sem Fronteiras (que por sinal é incrível) a brasileirada vem representando muito bem o Brasil aqui na Austrália.

Eu tenho que dar o braço a torcer e elogiar esse investimento em educação de governo brasileiro vem fazendo. Pra quem não conhece, o programa oferece mais de 100 mil bolsas para alunos de graduação e pós-graduação estudarem por 1 ano no exterior.

Vamos entrevistar alguns desses “sortudos”, ou melhor, esforçados estudantes brasileiros, começando com a Lorena Teixeira que estuda Biomedicina na Monash em Melbourne e é mais um orgulho brasileiro por aqui.


1) Seu nome, cidade onde mora, há quanto tempo e quem mora com você?

Meu nome é Lorena, moro em Melbourne. Cheguei no começo de outubro do ano passado, 8 meses atrás, e desde quando cheguei moro com brasileiras que também estão no programa e chegaram junto comigo.


2) Como surgiu a ideia de vir pra Austrália e qual cidade escolheu? E por que escolheu essa cidade?

Desde quando comecei a faculdade no Brasil eu já tinha conhecimento do programa, através de professores que divulgaram e pesquisas pessoais. Como o programa exige uma porcentagem mínima de andamento do curso eu não pude vir nos dois primeiros anos. Então quando estava no final do segundo ano eu resolvi tentar para que pudesse viajar quando estivesse terminando o terceiro. No início eu estava em dúvida entre Canada, Irlanda e Austrália, mas depois de pesquisas sobre em qual minha área de estudo era melhor e também sobre qualidade de vida, escolhi Austrália. Inicialmente eu escolhi Brisbane, principalmente pelo clima, não gosto muito de climas frios e úmidos. Mas fui realocada para Melbourne no meio do processo e hoje já me acostumei com o clima instável daqui.

lorena  Entrevista: Lorena Teixeira do Ciências Sem Fronteiras na Austrália lorena
3) Como foi o processo do visto?

O visto foi bem tranquilo. O programa tem uma parceria com uma agência de viagens, e eles praticamente fazem todo o processo pra você. Então, não tive nenhuma dificuldade. Mandei os documentos iniciais por e-mail, que eram histórico escolar, passaporte, alguns formulários da universidade da Austrália e eles entraram com o processo para mim. Depois eu paguei a taxa da aplicação para a própria agencia e realizei os exames exigidos em São Paulo. Os resultados foram diretamente para o sistema, e em mais ou menos 3 dias úteis meu visto saiu.

4) Onde você esta estudando e o que você estuda?
Estudo na Monash University, e faço matérias tanto de Biomedical Science (Biomedicina – que é  o meu curso no Brasil) quanto de Science (pesquisa) que é  mais focado na área que eu quero seguir quando voltar ao Brasil.


5) Qual foi a sua matéria favorita até agora?

Eu gostei bastante de duas matérias na verdade. A primeira foi Embriologia, em que eu tive contato com varias técnicas de estudo em embriões, e a segunda foi Biologia Molecular avançada, em que eu aprendi muito sobre mutação, experimentos genéticos e como modificar o DNA.


6) Poderia fazer uma comparação entre a sua universidade e a universidade brasileira?

Como o sistema de ensino é  completamente diferente, tem muito o que se comparar. Aqui o aluno tem um pouco mais de liberdade para escolher o que quer fazer e direcionar o seu conhecimento. O que mais me chamou atenção aqui foi que a gente pode fazer matérias base de todos os cursos da saúde durante os dois primeiros anos e só decidir depois o que realmente quer focar. Um grande problema das universidades brasileiras é a grade engessada que deixa os alunos sem escolha. Mesmo a base de Enfermagem, medicina, educação física e farmácia sendo a mesma, o aluno tem que decidir antes mesmo de começar que curso ira fazer. Aqui existe essa liberdade de experimentar primeiro e descobrir suas aptidões e só depois focar realmente.


7) Como é sua semana (timetable) e como são as suas aulas?

Nós que montamos nossa timetable na medida do possível de acordo com as opções que o sistema nos dá. Então, eu tenho 10 horas de aula teórica semanais e 14 horas de tutoriais e aulas práticas. Como todas as aulas teóricas são gravadas e disponibilizadas no site da universidade, eles não exigem presença e você pode ver em casa no horário que quiser, assim eu não frequento essas aulas. Mas tanto os tutoriais, como as práticas de laboratório eu frequento todas. Os tutoriais são mais discussões sobre os conteúdos das aulas, e algumas atividades. Alguns exigem um pouco mais e você tem que fazer muitos trabalhos ao longo do semestre. E as praticas de laboratório geralmente envolvem um experimento que demonstra algum conceito aprendido na aula teórica. Ao final sempre temos um relatório para responder ou um estudo de caso clinico para refletir e entregar na próxima aula.


8) Dá pra conciliar os estudos com o trabalho?

Como o Cnpq não nos permite trabalhar, eu não tive experiência com trabalho. O que é  permitido é  fazer algum estagio na sua área de estudo. Eu atualmente faço 4 horas semanais de estágio no laboratório de Anatomia e biologia do desenvolvimento da Monash. E confesso, é  um pouco pesado. Como temos muitos trabalhos, tarefas e artigos para escrever, chega uma hora que acabamos ficando esgotados, e quem faz estágio nunca pode parar. Então, temos sempre que tentar organizar nosso tempo minuto por minuto para não sobrecarregar.


9) O que você mais gosta da cidade que esta morando?

Gosto da qualidade de vida que Melbourne nos proporciona. O transporte, a educação dos funcionários, as opções de entretenimento, que inclusive muitas são de graça. A limpeza das ruas, estabelecimentos. Enfim, é  um mundo muito diferente do que eu estava acostumada no Brasil.


10) Como você avalia a experiência de vida de estudar no exterior?

Se eu tivesse que dar uma nota de 1 a 100, seria 100 com toda a certeza. Até quando você não quer ou não precisa você ainda está aprendendo. Tudo que eu acumulei de cultura, conhecimento e experiência nos meses que tive aqui, valem por uns bons 3 anos no Brasil. Morar fora e principalmente muito longe da família e amigos é  um aprendizado que eu recomendo a todos. Estou muito feliz em Melbourne e não me arrependo de um segundo até agora!
+++

Gente esse blog esta ficando muito chique, né. Muito obrigada Lorena por dividir sua experiência conosco, dá pra sentir a sua felicidade lendo o que você escreveu. Tudo de bom pra você!

Imagem: Cyclinglocations
Solicite Orçamento 160×160
SHARE
Previous articleAndar de Balão em Melbourne
Next articleComo é Morar na Tasmânia
Michelle Strazzeri
Casada com o amor da minha vida. Mãe da Felicity que enche minha vida de cor e alegria. Apaixonada por Jesus e com a vida que eu pedi a Deus <3

1 COMMENT

  1. Serio?!?
    Desculpa mas 14hrs de estudo (aula) por semana e 4 horas de estagio, nao e muito nao.
    Muito pouco comparado com outros cursos, e o fato de as aulas teoricas serem gravadas e voce pode assitir depois, nao faz diferenca neh. O proposito do CSF e estudar e nao passear.
    Nao e a toa que o programa foi congelado, e espero que nunca mais volte.

LEAVE A REPLY