E o Thiago Turino é mais um orgulho brasileiro em terras australianas, formado pela UFRJ, resolveu viver fora do país pra ter uma experiência internacional com a esposa. Fez o processo do visto sozinho sem agentes, somente lendo as informações do site “Architects Accreditation Council of Australia” e o immi.gov.au para a aplicação da residência. Hoje trabalha em um dos principais escritórios de arquitetura do país e atualmente esta desenvolvendo um dos maiores e mais modernos projetos já construídos na Austrália.

Como eu já citei anteriormente o Thiago e a Denise tem um dos melhores blogs sobre a Austrália (Awaywego – Rumo a Australia), com informações riquíssimas para advogados e arquitetos.

Aqui na Austrália a formação do arquiteto tem a carga horária muito maior do que os cursos do Brasil, então a equivalência do diploma brasileiro é dificultada pra quem não estudou em período integral nas universidades federais e estaduais brasileiras.

Essa entrevista vai ajudar muito os brasileiros que querem reconhecer a profissão aqui na Austrália:

1) Seu nome, cidade onde mora, há quanto tempo e quem mora com você?

Thiago Turino, moro em Sydney há 3 anos com minha esposa e com meu filho que acabou de nascer.

2) Como surgiu a ideia de vir pra Austrália e por que escolheu Sydney?

Eu e minha esposa, Denise, já havíamos cogitado morar por um tempo fora do país pra termos um experiência diferente, mas sempre esbarramos na questão de largamos tudo e termos que um dia voltar e ter que “reconstruir” nossa carreira, já que a maioria dos países não dão um visto permanente. Por isso deixamos de lado esta ideia apesar de estarmos meio insatisfeitos com a qualidade de vida que estávamos tendo morando no Brasil.

A ideia ressurgiu quando meu antigo chefe me avisou que iria fechar o escritório pra morar na Austrália. Na hora achei loucura, mas mantivemos um contato e ele foi me passando muita informação de como era a vida aqui e como poderíamos aplicar pra um visto permanente. Foi dai que surgiu a ideia de imigrar pra um pais tinha uma boa qualidade de vida e dava um visto permanente.

3) Como é ser arquiteto na Austrália? (Conseguiria fazer uma pequena comparação com o Brasil)

Arquitetura na Austrália e muito técnica, eles discutem muito sobre os códigos de obras, legislação, técnicas construtivas, detalhes, mas a discussão arquitetônica de espaços, formas, usos, fica meio de lado. Talvez porque aqui o arquiteto tem uma responsabilidade muito maior podendo ate responder criminalmente por algum acidente resultante de uma especificação de projeto.

No Brasil eu sentia que existia menos pressão legal do arquiteto e havia maior ênfase no projeto como um todo e menos nos detalhes técnicos. Sinto que os estudantes de arquitetura não se aprofundam os princípios arquitetônicos, nas teorias, na historia, etc. Eles vão direto para as discussões praticas de execução, detalhes, códigos etc.

Isso se reflete na hora de procurar empregos. Todas as vagas de arquitetura pedem experiencia local e conhecimentos técnicos, códigos de obra etc. Algumas empresas nem estão interessadas em ver portfólio.

4) Como é trabalhar com os arquitetos Australianos?

A minha experiência nestes 3 anos de Austrália me revelou este tipo de trabalho técnico. Não estou dizendo que não exista escritório mais conceituais, mas pelo que conversei com outros colegas da área a grande discussão nas reuniões de trabalho estão baseadas nas questões técnicas.

Trabalhar com arquitetos na Austrália e discutir por horas a diferença de 5 milímetros entre um piso e outro, mas não discutir o impacto que a mudança de um layout vai afetar a leitura daquele ambiente arquitetônico.

Como os sistemas construtivos na Austrália são bem diferentes do Brasil, muitas vezes você se sente impotente nas reuniões de equipe pois os assuntos giram em torno dos termos técnicos, dos códigos, etc. Assuntos que só teremos segurança de discutir depois de alguns anos de experiencia.

Por isso eu digo sempre aos que esta planejando imigrar e trabalhar como arquiteto que toda nossa experiencia no Brasil não tem muita relevância aqui no marcado Australiano. Muitos que chegam começam a trabalhar em cargos mais baixo pra pegar experiência local e depois de um tempo procurar vagas mais equivalentes a sua experiência prévia.

thiago_denise_lucas  Entrevista - Como ser Arquiteto na Austrália? thiago denise lucas

5) Como é o mercado de arquitetura na Austrália? E como você vê o mercado para os arquitetos brasileiros?

Quando eu cheguei o Mercado estava bem em baixa, poucos investimentos em construção, empregos temporárias, altos e baixos. Nos dois primeiros anos o mercado ficou assim, demorei 6 meses pra conseguir um emprego permanente e vi muita gente entrando e saindo do escritório durante estes dois anos. Um mês eles diziam que pegaram um novo projeto, no outro mês o projeto parava por conta de investimento. Atualmente o mercado deu sinal de reaquecimento, e os analistas dizem que o ano será promissor.

O primeiro emprego e sempre o mais difícil em qualquer área, mas em arquitetura mais ainda por conta desta necessidade de se conhecer a parte técnica. Como o Brasil não tem similaridades com a prática arquitetônica Australiana, isso cria uma barreira inicial que as vezes e difícil de quebrar. Mas com um bom planejamento e perseverança esta barreira se quebra e depois do primeiro emprego as cosias vão melhorando exponencialmente. O brasileiro tem uma vantagem de se adaptar fácil as mudanças, de ser Multitask, pensar no todo e não apenas no detalhes. Essas características são primordiais pra prática arquitetônica e que ao longo prazo faz a diferença entre um profissional que apenas faz o que foi solicitado e um profissional que esta atento aos problemas envolvidos naquela tarefa.

6) Arquiteto recém formado tem chance?

Sim, com certeza. Como nossa experiência no Brasil não conta muito aqui, a diferença entre um arquiteto recém formado e um arquiteto com 10 anos de experiencia no Brasil não e muito relevante pra eles.

Eu acho ate mais fácil conseguir uma vaga como recém formado do que uma vaga de arquiteto sênior pela falta de experiencia local. O meu primeiro emprego eu fui contratado como graduate architect, mesmo tendo 6 anos de experiência.

O arquiteto que chega aqui com muitos anos de experiência pode ficar frustrado por ter que dar um passo atrás na carreira nos primeiros anos de trabalho. Já o recém formado não vai sentir esta diferença.

Claro que pra aplicar para o visto é preciso comprovar uns anos de experiencia, mas com 3 a 5 anos e o necessário pra chegar na pontuação minima.

7) Como foi o processo de reconhecimento da profissão na AACA? (Resumidamente)

AACA só serve pra aplicar para o visto (skill assessment), para fazer o registro de arquiteto (oficialmente não podemos nos intitular arquitetos se não tiver o registro) o processo e bem mais complexo, tem que comprovar alguns anos experiencia local trabalhando com arquitetos registrados, análise de portfólio, CV, diploma, prova e entrevista. Muita gente nem se registra por poder trabalhar na área sem registro.

Validar o diploma no AACA, para fins de imigração, e bem chatinho pra nos Brasileiros, pois as faculdades Brasileiras não são tao conhecidas no exterior.

O mais importante para eles é você ter estudando em uma faculdade em tempo integral, já vi gente ser recusada em 1 semana apos enviar os documentos por conta da carga horária que não chegava ao mínimo exigido. Pelo que parece eles cortam logo se sua faculdade foi meio período.

Outra coisa que achei importante e traduzir as ementas das matérias cursadas, incluindo bibliografia, pois ali eles poderão analisar mais detalhadamente o conteúdo do curso.

Como as faculdades do Brasil não são muito conhecidas no mundo, as ementas ajudam a mostrar que estudamos os conceitos da arquitetura do primeiro mundo também.

Além dos documentos acadêmicos (diploma, histórico, ementas e se possível alguma coisa que prove que a faculdade foi em tempo integral), eu enviei currículo, portfólio, carteira do CREA, IAB, carta de clientes, publicações de artigos e participações em congresso etc.

Eu achei melhor pecar pelo excesso…

E bom lembrar que no Brasil o diploma das faculdades de arquitetura normalmente incluem urbanismo, e aqui na Austrália são órgãos diferentes. Sendo assim e possível tentar reconhecer o diploma como urbanista já que o processo pelo VETASSESS e muito mais rápido e simples. Mas claro que vai ser preciso comprovar experiencia como urbanista, o que nem todo mundo tem.

8) Quanto tempo leva do início do processo até o reconhecimento da profissão?

No geral o processo leva de 3 meses a 6 meses, dependendo do numero de aplicações. O meu demorou 6 meses, mas tenho colegas que conseguiram em menos de 6 meses o documento do AACA.

O meu reconhecimento como urbanista saiu em 1 mês, e eu só envie meu diploma e histórico, sem ementas e documentações extras.

9) Quais são os softwares de Arquitetura mais utilizados aqui?

Bom, muitos escritório ainda usam os softwares tradicionais, como Autocad, Corel, sketchup etc. Mas a grande demanda no momento são os softwares de plataforma BIM, mais precisamente Revit. Existe falta de profissionais com experiência em Revit e isso pode ser um diferencial pra quem esta imigrando.

Sem meu conhecimento de Revit eu não teria conseguido meus empregos aqui. Todos meus empregos eu fui selecionado por conta da minha experiencia em Revit. O que eu perdi em experiencia local eu ganhei com o conhecimento do software.

Se eu poder dar um conselho pra quem esta querendo imigrar, aprenda ou trabalhe em empresas que utilizem Revit e outras ferramentas de BIM.

10) Tem alguma comunidade de arquitetos na AUS?

Eu não participo de nenhuma comunidade de arquitetos, mas existem associações de arquitetos, os órgãos oficiais que dão palestras etc. Os mais famosos são o AACA (Architects Accreditation Council of Australia) e o AIA (Australian Institute of Architects).

+++

Thiago, muito obrigada por sua generosidade em dividir aspectos tão importantes sobre o mercado de arquitetura pra quem esta começando a jornada de viver em outro país. Imagina como seria mais fácil se alguém tivesse dividido essas informações com você? #thanks

 

Solicite Orçamento 160×160

43 COMMENTS

  1. Olá!

    Tenho acompanhado o blog desde antes de vir pra Australia e continuo acompanhando sempre!

    Sou recém-formada em arquitetura e estou na Australia estudando inglês recentemente…

    Gostaria só de tirar algumas dúvidas, como se por acaso para o visto vcs sabem se eles consideram os anos de estágio durante a faculdade como experiêcia.. Ou apenas o trabalho depois de formado?

    E também se há alguma sugestão de curso de pós-graduação, mestrado, graduate certificate ou graduate diploma na area q possa ajudar posteriormente ou que seja interessante. Ou se não vale a pena fazer a nao ser q seja para fins academicos..?

    Gostei muito das dicas e espero q tenham mais sempre!

    Parabens pelo trabalho de vcs!

    Obrigada!! Beijos!

    • Ola Marina,

      A comprovacao de experiencia profissional, ate aonde eu sei, tem que ser depois de formada sim… Pra eles voce nao pode comprovar experiencia antes de receber seu diploma.
      Curso de pos-graduacao vai te ajudar a acumular mais carga horaria na hora de aplciar pro AACA, mas pra conseguir emprego eu nao vejo muita vantagem.
      Eu acredito que o meu reconhecimento no AACA aconteceu pois eu tinha um mestrado pra adicionar mais carga horaria academica, mas nunca ninguem se interessou em perguntar sobre meu mestrado nas entrevistas.

  2. Sou arquiteta e adorei a entrevista! Já deu pra ter uma noção do que esperar quando chegar ai!! Se tivesse lido isso antes ate já tinha dado entrada direto como urbanista!! Rs!!
    Abraços

  3. Olá!
    Achei ótima a entrevista, bem elucidativa!
    Estou de olho nesses processos da AACA e de imigração em geral para Austrália, também me perguntava com relação as técnicas construtivas praticadas no Brasil e como isso poderia influenciar no reconhecimento dos arquitetos, a entrevista veio a confirmar isso… Ficamos um bom tempo na faculdade nos debruçando em cálculos de estruturas em concreto armado e os demais sistemas construtivos acabam ficando mais de lado…
    Fiquei muito feliz com a questão do sistema BIM, adoro lidar com o Revit e demais softwares gráficos! 🙂
    Vi que a formação do Thiago foi na UFRJ, lá o curso é integral? Porque me formei na PUCPR e lá apesar da carga horária ser considerável, o curso não é integral…
    Obrigada pelas dicas!

    • Amanda,

      O curso de arquitetura da UFRJ e dito como integral, mas eu lembro que o total de carga horaria que eu fiz nao chegava a cargo hoaria das faculdades autralianas que eu pesquisei. MAs como eu fiz mestrado,acho que isso contou como um adicional.

      • Hmm, entendi, estou aguardando minha pós-graduação finalizar em Abril para entrar com a papelada, espero que auxilie nesta parte da carga horária…
        Temos parentes morando em Sidney, vamos aí em maio para sentir os “ares australianos”.
        Obrigada pelas informações! 🙂

  4. Olá pessoal, tudo bom?

    Primeiro de tudo, parabéns pelo blog. Contém muitas informações interessantes em muitos aspetos para pessoas que podemos estar interessadas em mudar para Austrália.

    Sobre o caso concreto desta matéria, ou talvez nem tanto, eu gostaria de plantear uma questão que acho devem-se perguntar muitas pessoas: o processo de obtenção de visto e o processo de homologação da titulação (seja qual for, no meu caso arquiteto) são processos independentes ou pelo contrário dependem um do outro?. Quer dizer, você pode dar entrada à documentação para obtenção do visto tipo inmigrant skills, por exemplo, e obter um visto que te qualifica para trabalhar nessa área e depois tentar homologar teu título para poder assinar teus próprios projetos, ou precisa ter a titulação reconhecida pelo organismo competente antes de poder solicitar o visto?.

    De novo parabéns pelo blog, e desculpem se tem algum erro no texto (eu sou estrangeiro e moro no Brasil faz dois anos só, então as vezes ainda dou algum fora).

    Abraços!!

    • Fernando,

      como eu disse na entrevista, o processo de reconhecimento do diploma e apenas para fins de imigracao. Voce vai ser reconhecido como arquiteto estrangeiro para aplciar pro visto, mas nao podera se intitular arquiteto na Australia ate ser registrado aqui.
      Pra ser registrado aqui voce deve mandar todos os documentos academicos novamente, trabalhar por pelo menos um ano com um arquiteto registrado aqui, apresentar curriculo, passar em uma prova escrita e entrevista. A maioria das pessoas esperam uns anos depois de formado pra ganhar experiencia e depois se preparar pro processo de registro.
      Mas ainda assim voce pode trabalhar como graduate ou architectural assitant fazendo o mesmo que um arquiteto registrado. O registo e mais uma questao de estatus, e claro, salario.

  5. Olá, estou amando as entrevistas.

    Se encontrarem um engenheiro agrônomo, ou zootecnista por aí, favor, entrevistá-los.

    rsrsrsrsr

    Obrigado.

  6. Adorei a entrevista e estou pensando em ir pra Australia assim que concluir minha faculdade. Pelo que entendi então teria que ir primeiro, trabalhar na área como recém formado e aí sim aplicar pra residencia? Estava dando uma olhada em uma das faculdades ai da AU e vi que o curso de arquitetura não tem muitas horas, mas sim muitos créditos. Teria como falar um pouco mais sobre a prova que é feita na AACA? Como é bem burocratico, gostaria de saber se cai algo sobre a legislação da Australia e coisas desse tipo, ou se um arquiteto formado no Brasil é capaz de realizar a prova sem problemas.
    Muito obrigada, esse post foi very helpful =P

    • Sim Vanessa, voce tem que comprovar alguns anos de experiencia pra conseguir chegar na pontuacao minima pra aplicar pro visto de residencia.
      Os creditos na faculdade sao diretamente relackonado com carga horaria, quanto mais creditos mais horas empregadas na materia.
      eu nao fiz a prova do AACA, mas eu sei que a prova e muito tecnica e com muita legislacao australiana, ja vi muito australiano ser reprovado na primeira tentativa. com certeza quem se formou no brasil precisara de uns bons anos pra estar preparado pra prova. de qualquer forma no minimo e preciso comprovar um ano tranalhando com um arquiteto registrado aqui. mas eu diria que pelo e bom uns 5 anos de experiencia local pra estar minimamente interado da legislacao e ter alguma chance de passar na prova.

  7. Adorei o post. Quando comecei a pesquisar sobre o assunto e vi o titulo logo pensei: nossa, parece que esse post foi feito pra mim rs
    Bom, minha mae vai pra australia no meio do e ficar 6 meses, mas se ela gostar ela quer tentar morar la. Eu tenho 17 anos e a intençaodr cursar Arquitetura e Design de Interiores. Eu estou em duvida se deixo pra fazer DI como um tecnico ai e depois facul ou se eu faço DI aqui e arq tbm. Eu nao sei se vale mais a pena me forma ai ou me formar aqui e depois tentar revalidar meu fiploma e tentar trabalhar na área ai. Será que você pode me ajudar ? Ah, se eu for fazer DI aqui vai ser tecnologo, sera q eu consigo trabalhar com isso ai na australia ?

    Desde ja agradeço, beijos

    • Nicole, se seu intuito e ficar aqui, claro que fazer o curso na australia vai te ajudar. Mas lembre-se que as faculdades aqui sao todas pagas e se voce nao e resisdente voce vai pagar uma fortuna. Se voce for cidadao austealiano voce consegue financiamento, se nao vai ter que pagar por cada materia. eu aconselho voce a pesquisar os valores.
      DI e arquitetura aqui sao areas bem distintas, e dificil dizer qual o melhor caminho… Arquitetura vai pro lado mais tecnico e DI vai pro lado de cores, materiais, etc. DI aqui e um curso bem superficial.

  8. Olá Thiago,

    Poderia me dizer se seria complicado encontrar trabalho na área de desenhista cad?
    Se diz draftsperson ou draftsman?
    Trabalho com cad a 12 anos, tenho certificação autodesk em Autocad e Revit,
    inglês intermediário e tb trabalho com 3dMax e Maya.

    Abraço.

    • O primeiro emprego e sempre mais dificil, mas se voce tem conhecimento de softwares ja e um comeco. claro que sua experiencia tem que bater com a vaga, isso depende de cada anuncio.
      Sim, eles chamam de drafperson ou draftsman, tanto faz.

  9. Oi Thiago! Vc trabalha pra XXX? Prq sei que tem um brasileiro que trabalha lá e se chama Tiago. =D trabalhei pra TBG da nz por quase 3 anos…

  10. Bom dia Thiago,

    As informacoes tanto suas quanto da sua esposa sao mto boas e bem embasadas. Morei em Sydney por varios anos e fiquei de cara quando entrei no vosso blog. Queria mto ter tido essas infos quando eu fui!!

    Sou arquiteta, tenho PR e ja morei e trabalhei na area em Sydney. Estou pensando em voltar mas estou tendo mixed reviews de como esta o mercado. Voce saberia dizer se esta em alta no momento? Se sim para graduate architect ou mais para Project Manager? Nao sou registrada no caso.

    Muito grata!

    • Ana,

      Como eu falei o mercado deu sinais de reaquecimento, pelo menos em Sydney e Melbourne. Mas claro que depende de cada area, arquitetura e algo muito abrangente. Não sei exatamente quais as posições estão mais cotadas, mas claro que graduate e sempre bem vindo pra empresas por ser uma mão de obra mais barata. Aconselho a entrar no site desta empresa de recrutamento, pois eles fazem reports regulares sobre o mercado de arquitetura:
      Bloomfieldtremayne.com.au
      Abs

  11. Olá Thiago!

    Sou Técnica em Edificações aqui no Brasil, formada a menos de um ano mas trabalho na área a dois.
    A minha dúvida seria, será que consigo uma vaga na área na Austrália? (planos de mudança para daqui um ano ainda);seja como projetista e afins…
    Possuo conhecimento em CAD, REVIT, e softwares básicos da profissão.
    Não sei se meu diploma teria algum valor na Austrália ou somente minha experiencia…
    Como arquiteto você poderia me dar mais informações sobre a graduação ai na Austrália? Como mencionou acima a carga horária é bem maior. Desejo seguir carreira em arquitetura, porém desisti de cursar no Brasil pela qualidade do ensino, sendo que meu desejo é mudar de país.

    Obrigada.

  12. Oi Thiago,

    Sou arquiteta e em 2009 morei e trabalhei em Melbourne, na época apliquei p visto de permanência, mas devido a crise daquele ano, arquitetos foram retirados da lista da SOL. Voltei p Brasil e desisti da aplicação.
    Esse ano o sonho e vontade de morar na Austrália voltaram. Achei o seu blog, e adorei as dicas e comentários, estou aprendendo muito e varias coisas confirmam com o que senti e vi por aí.

    Estou dando entrada num novo visto, agora estou aplicando o Skilled Independent, já que muita coisa mudou.
    Essa semana recebi a ótima noticia que o meu Assessment não perde validade, é só emitir um novo com data atual! Fiquei muuuito feliz, pois dei uma olhada no site do AACA está bem mais complicado agora, pedindo mais documentos e etc.

    Mas eu tenho algumas dúvidas e gostaria de pedir sua ajuda:
    1- Para comprovar anos de trabalho registrado eu vi que eles aceitam comprovar atraves de carta da empresa, holerites e etc. Precisa mandar tudo ? ou manda a carta ou o ultimo holerite?
    2- Para comprovar trabalho autônomo, vc saberia me dizer que tipo de informação tem que conter no contrato de serviço? Eu vi algumas informações no website da imigração, mas algumas eu fico na duvida.. como não sei se vc teve que comprovar tudo isso, pensei em perguntar já que seu processo foi apovado!
    3 – Estou estudando inglês para tentar uma nota mais alta no IELTS e gostaria de perguntar qto tempo demorou para vcs serem chamados para aplicarem o visto após enviarem a expressão de interesse (Expression os interest).
    4 – e ultima pergunta… no site fala que depois de aplicado o visto, o mesmo sai em 3 meses, é isso mesmo?

    Desculpa as mil perguntas… mas estou tentando fazer tudo sozinha, e várias duvidas vão surgindo e fiquei muito feliz em conhecer o blog de vcs e saber que tem outros arquitetos brasileiros por aí!

    Abraços, e obrigada,

  13. Olá tiago, tudo bem?
    A economia, como vc deve já saber, aqui no brasil está pessima e meu marido (também arquiteto), acaba de perder o emprego em uma construtora… eue trabalha em BIM no Archicad e eu trabalho com o REVIT… Temos uma bebe de 1 ano e 5 meses e pensamos seriamente em tentar a vida ai… Você acha que temos chance? Como é a vida com um bebe pequeno, vi que você tem um pequeno tb…rs Nos ajude por favor! 🙂
    Obrigada

  14. Ola’, Colegas Arquitetos do Brasil

    Sou uma das primeiras arquitetas brasileiras que veio para a Australia, ha’ quase 20 anos. Ao que parece, o procedimento para registro de urbanista difere bastante do registro de Arquiteto.
    Irei relatar a minha vivencia para tentar conseguir registro na Australia, para que pensem e decidam.
    Antes de vir para a Autralia, enviei todos os meus documentos para o orgao que avalia as profissoes para migracao (diploma, traducao completa das disciplinas da universidade, certificados de cursos e referencias de trabalhos no Brasil). Tentei por 2 vezes com diferentes argumentos, e complementacao de mais documentos e, a aplicacao foi recusada por duas vezes. Me foi informado que meu diploma brasileiro nao foi aceito para registro, nem seria aceito para fazer a prova do AACA porque a Australia nao reconhece nenhuma das universidades brasileiras para fins de registro junto ao AACA. Nossos diplomas sao aceitos somente para cursar por-graduacao (mestrado ou doutorado) pois, uma das grandes fontes da economia da Australia e’ de educacao para estrangeiros, que traz muito dinheiro para o pais mas, que nao nos garante trabalho.
    Assim, usei todas as minhas economias para fazer mestrado na Australia.
    Eu ainda tive sorte de completar um curso de mestrado em uma das melhores universidade da Australia que preparava profissionais estrangeiros se candidatassem para a prova do AACA nos anos 90, mas este curso foi fechado pouco tempo depois. E, depois de me formar e de trabalhar com alguns bons escritorios, me defrontei com outro problema: Os escritorios nao me davam as experiencas necessarias para preencher o LOGBOOK do AACA, para ser aceita para fazer a prova e as entrevistas para o registro. Tambem descobri logo que, ser cidadao brasileiro era um fator negativo, devido a pessima repercussao da corrupcao, violencia e imagem vulgar que os brasileiros tem no exterior por causa da nudez mostrada no carnaval e nas praias brasileiras. Isso pega muito mal principalmente para as mulheres brasileiras que tentam trabalhar seriamente nos escritorios daqui. Tive que omitir minhas origens e meu diploma brasileiro no meu CV e como felizmente tenho sobrenome alemao, so’ entao consegui prosseguir nos trabalhos.
    Lhes conto tudo isso para que INVESTIGUEM ANTES de vir para a Australia, principalmente aqueles que nao podem disperdicar o seu dinheiro e talvez todas as suas economias. Tomem suas decisoes somente com resposta por ESCRITO, em correspondencia direta com o AACA.
    O mercado de arquitetura esta’ bastante dificil na Australia desde a crise financeira mundial em 2008 e, os estrangeiros que tem experiencia em REVIT tem que concorrer para as poucas vagas existentes com arquitetos graduados e registrados no pais. Desejo boa sorte a quem se aventurar.

  15. Olá pessoal
    gostei muito da entrevista, sou arquiteta, tenho 5 anos de graduação e estou pensando em aplicar para o skilled visa para Austrália. Se alguém quiser trocar informações meu e-mail lourdex@gmail.com
    Boa sorte para todos

  16. Boa noite!
    Fiquei surpreso com a entrevista, daquelas que é justamente o que procuramos, rsrs!!

    Estou pesquisando desde o começo do ano todas essas questões do visto, entrada na AACA e tudo mais. tenho algumas dúvidas e se o Thiago ou alguém puder me responder:

    1- Quanto a documentação para tradução e envio ao AACA, devem ser registradas em cartório toda a documentação?
    Eu posso enviar tudo direto para AACA?

    2- Assim como a Kesia, eu não fui registrado no ultimo escritório que trabalhei, posso comprovar com carta de recomendação e outros documentos que comprovem que eu trabalhei na área.

    3- Não graduei em faculdade de tempo integral, necessariamente preciso de um mestrado? (para não ser negado na AACA, pela carga horária do meu curso).

    4- Obrigado pelas dicas e por falar sobre o REVIT (vou procurar um curso aprender a mexer nesse software).

    Boa sorte a todos!!!

  17. Gostaria de receber a sua ajuda para achar um local para morar, como me locomover… Pois gostaria muito de fazer essa mudança assim que me formar. Essa entrevista me abriu os olhos, fora que Austrália já era uma opção pra mim. Toda a entrevista explica direitinho o que devo fazer relativo a parte burocrática do visto, mas a permanência e como me locar, onde que poderia me instalar, tanto em local para residência quanto em onde trabalhar, para quem, onde achar as Leis, os Códigos para um breve estudo até, não há. Por isso desde já peço ajuda e agradeço demais por esta entrevista, foi um rumo que você me deu. Obrigada mesmo.

  18. A pergunta acima sobre as traduções, registro em cartório e a carga horário do curso estão também conflitantes. Gostaria de saber também. Desde já obrigada.

  19. Fico orgulhoso em saber que você está bem, fazendo sucesso na carreira internacional de arquiteto e ainda é papai!!!
    Estava vendo documentário do Oscar Niemeyr ,construindo Brasília, e do nada, lembrei de ti…

    Parabéns! Que Deus te ilumine e a sua família!
    Lembrança do tempo dos “filminhos” hein…

    Grande abraço!

    Diego Ferrari Más

    • Fala Diego!

      Que Surpresa ve-lo comentando aqui! Faz tempo que nao entro neste site por isso nao vi seu comentario.
      Espero que esteja tudo bem com voce tambem.
      Um abraco!

  20. Sou arquiteto tenho 55 anos tenho uma peq. construtora e uma marcenaria. Executo reformas e construções novas e faço todo tipo de móveis. Na área de execução de obras e reformas costumam contratar arquitetos para a execução de obras de pequeno porte ? E a parte de marcenaria sabe informar se o campo de trabalho esta aquecido ?
    Gostaria de perguntar quanto ao custo de vida de um casal e dois filhos pequenos , vc saberia informar valores aproximados ?
    Obrigado

  21. Ola Thiago, obrigada por compartilhar sua experiencia e tantas informacoes uteis conosco.
    Sou arquiteta formada no Brasil com 4 anos de experiencia em arquitetura e CAD alem de 2 anos de experiencia em web design em Sao Paulo. Porem ha quase 20 anos nao atuo na area e sai do pais. Tenho trabalhado com supply chain na area de oil and gas por 14 anos, atuando na Inglaterra, Italia e Holanda (onde moro hoje).
    Estou aguardando meu partner visa ser emitido para imigrar ano que vem para a Australia com meu marido mas quero muito morar em Sydney, e nao em Perth (cidade polo do oil and gas).
    Voce sinalizou que e importante ter conhecimentos em Revit.
    Poderia tambem sugerir nomes de agencias de recrutamento em Sydney para vagas nessa area? Eu so conheco o website SEEK.
    Teria tambem uma ideia de quanto seriam os salarios para um profissional recem chegado no pais com um background similar ao meu?
    Muito obrigada, se puder me ajudar ficaria muito grata.

    Renata

    • Oi Renata,

      O site seek e o melhor lugar pra procurar vagas. O que eu fiz no inicio foi procurar no seek e ver o nome das empresas de recrutamento e do recruiter para contacta-los.
      O salario varia muito dependendo da experiencia, mas e claro que os recem chagados normalmente recebem um salario menor pela falta de experiencia local. O mercado de arquitetura no geral paga salarios mais baixos que a medial geral por uma serie de razoes. Mas com alguns anos de experiencia local ja da pra negociar salarios melhores.

  22. Olá Thiago, estou a procura de oportunidade fora do Brasil, sou arquiteto, porém sempre atuei com obras, produção e coordenação. Gostaria de saber se na Austrália o arquiteto tem gabarito ou alguma restrição em campo.? Ou se apenas engenheiro civil pode atuar?

    Desde já, obrigado.

  23. Olá Thiago, pena que sua entrevista só foi feita em 2015, sou arquiteta e morei em Brisbane com minha filha em 2013, se tivesse tido essas dicas na época teria tentado o processo, apesar do meu foco ser em paisagismo.
    Você sabe dizer se apenas com tempo de experiencia comprovada eu conseguiria o reconhecimento como paisagista?
    Amei a Austrália, e estou me esforçando para poder voltar!!!
    muito obrigada!!

  24. Boa Tarde

    Thiago tudo bem? uma duvida a AACA pede o Syllabus que seria o palno de estudos que foi citado na materia, a tradução teve que ser juramentada? pois o nosso tem 217 paginas rs

    obrigado

    Pessoal estamos aplicando para Arquitetura que quiser podemos criar um grupo no Whats para trocar informações o que acham?

    • Rodrigo,

      Na minha epoca as ementas nao eram obrigatorias, portanto eu fiz uma traducao simples.
      Mas se agora eles estao pedindo a coisa muda de figura… Realmente sao muitas paginas….

    • Rodrigo,
      Olha, eu topo, pois estou começando a ver a documentação e gostaria de ir no começo do ano que vem!
      Vamos trocar informações?

      Adorei a entrevista, Thiago, você está ajudand muito com suas informações! Você sabe como está o mercado da arquitetura sustentável e conforto ambiental aí na Aus?

  25. Olá Rodrigo,
    adorei a ideia do grupo no whatsapp para arquitetos que estão querendo migrar para a AUS. Estou interessada

  26. Olá Thiago,

    Sou recém formada e estou indo para Sydney onde já morei por dois anos, com o spouse visa pelo meu marido que conseguiu um sponsor.
    Provavelmente não terei a experiência para comprovar já que você informou que só a experiencia após formada é valida.
    Você sabe se eu fizer um Master e trabalhar por um tempo sem o registro eu consigo me registrar depois? Na área de urbanismo é bem mais fácil?

    Obrigada!

  27. Oi Thiago,

    Sou arquiteta com mais de 10 de formada e experiência no Brasil e na Espanha. Estou mudando para Melbourne no início de outubro para fazer um curso de inglês por 5 meses. Meu curso é de meio período e poderia trabalhar legalmente meio período. Gostaria de tentar um trabalho part-time na área, mesmo sendo como desenhista. Achas que seria possível sem ter feito nenhum tramite para aprovação de diploma?

    Obrigada

  28. Olá, eu sou recém formada em arquitetura na Unicamp e lá o curso era de meio período por 6 anos.

    Pelo visto meu pedido de registro seria recusado imediatamente, o que deve ser feito nesse caso?

LEAVE A REPLY